Ir direto para menu de acessibilidade.
Login
Manual para Instrução de Pleitos (MIP) > 9. Operação de crédito externo > 9.02 Fluxo da operação de crédito externo
Início do conteúdo da página

9.02 Fluxo da operação de crédito externo

Publicado: Terça, 31 de Janeiro de 2017, 11h25 | Última atualização em Segunda, 10 de Fevereiro de 2020, 12h43 | Acessos: 4481

Fluxo

No fluxo de operações externas foram incluídos os procedimentos de análise de garantia pela União, tendo em vista que a maioria dessas operações contam com a referida garantia. A tramitação das operações externas envolve outras instituições governamentais: o Banco Central do Brasil, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), a Secretaria de Assuntos Internacionais do Ministério da Economia (SAIN/ME), a Presidência da República e o Senado Federal.

Este é o passo a passo do fluxo do PVL de operação de crédito externo com garantia da União:

  1. Apresentação da carta consulta –GTEC COFIEX (SAIN/ME). Siga para o passo 2.
  2. Reunião da COFIEX (SAIN/ME). Siga para o passo 3.
  3. O ente da Federação envia o Pedido de Verificação de Limites e Condições e a solicitação de concessão de garantia da União à STN por intermédio do SADIPEM. Siga para o passo 4.
  4. O PVL e a solicitação de garantia aguardam análise na fila única de pleitos. Siga para o passo 5.
  5. Análise do pleito. O prazo para a conclusão da análise pelo Ministério da Economia e para o consequente envio ao Senado Federal é de 30 dias úteis, conforme definido no art. 25 da RSF nº 43/2001. Siga para o passo 6.
  6. Caso os documentos estejam corretos e não exista questionamento jurídico, siga para o passo 10. Caso não estejam e/ou exista questionamento jurídico, siga para o passo 7.
  7. É encaminhado ofício de exigência ao ente da Federação e, caso exista questionamento jurídico, consulta-se a PGFN. O ente da Federação também é informado a respeito da eventual consulta. Siga para o passo 8.
  8. Após os novos documentos serem anexados no SADIPEM pelo ente, e, se for o caso, após a resposta da PGFN ao questionamento jurídico, o processo retorna à fila única de pleitos (retorne ao passo 4). Caso o ente não envie os documentos solicitados em até 60 dias, o pleito pode ser arquivado. Nesse caso, siga para o passo 9.
  9. O processo é arquivado por decurso de prazo (fim).
  10. A STN solicita à SAIN/ME o agendamento de negociação. Siga para o passo 11.
  11. A SAIN agenda a Negociação. Siga para o passo 12.
  12. A Negociação é concluída. Siga para o passo 13.
  13. O ente da Federação faz a inclusão dos dados para fins de credenciamento no Registro de Operações Financeiras (ROF). Siga para o passo 14.
  14. A STN verifica a consistência das informações no ROF. Caso estejam corretas, siga para o passo 15. Caso estejam incorretas, a STN solicita ao ente que realize os ajustes necessários. Nesse caso, retorne ao passo 13.
  15. É realizada pela STN a análise pós-negociação do pleito. Siga para o passo 16.
  16. Caso os documentos estejam corretos e não exista questionamento jurídico, siga para o passo 19. Caso não estejam e/ou exista questionamento jurídico, siga para o passo 17.
  17. É encaminhado ofício de exigência pós-negociação ao ente da Federação e, caso exista questionamento jurídico, consulta-se a PGFN. O ente da Federação também é informado a respeito da eventual consulta. Siga para o passo 18.
  18. Após os novos documentos serem anexados no SADIPEM pelo ente, e, se for o caso, após a resposta da PGFN ao questionamento jurídico, o processo retorna à fila única de pleitos e segue então para nova análise (retorne ao passo 15). Caso o ente não envie os documentos solicitados em até 60 dias, o pleito pode ser arquivado. Nesse caso, siga para o passo 9.
  19. A STN emite parecer único de verificação dos limites e condições estabelecidos no art. 32 da LRF e na RSF nº43/2001 e de condições para recebimento de garantia da União, conforme disposto na RSF nº 48/2007. Siga para o passo 20.
  20. O processo é encaminhado à PGFN. Siga para o passo 21.
  21. A PGFN emite parecer e, com base na Portaria ME nº 198/2019, encaminha a matéria ao Secretário Especial de Fazenda. A mencionada Portaria implica na desnecessidade da manifestação do Ministro da Economia. Siga para o passo 22.
  22. Se atestar o cumprimento dos requisitos da Portaria ME nº 198/2019, o Secretário Especial de Fazenda encaminha o processo à Presidência da República. Siga para o passo 23.
  23. O processo é encaminhado ao Senado Federal. Siga para o passo 24.
  24. Caso o Senado autorize o pleito, o processo é encaminhado à PGFN. Siga para o passo 25.
  25. Caso o exercício financeiro em que houve a emissão do parecer de verificação de limites e condições tenha encerrado, o processo retorna à STN, por força da Portaria MF nº 151/2018. Siga então para o passo 26. Caso o prazo de validade da verificação realizada por esta STN ainda esteja vigente e o exercício financeiro seja o mesmo em que houve a emissão do parecer de verificação de limites e condições, siga para o passo 30.
  26. A STN emite Ofício solicitando ao Ente que encaminhe, via canal “Fale Conosco” do Sadipem, as informações necessárias para análise complementar. Siga então para o passo 27.
    27.
  27. O Ente encaminha documentação complementar por meio do canal “Fale Conosco” do Sadipem. Siga para o passo 28. Caso o ente não envie os documentos solicitados até o prazo de validade contido no Parecer de Verificação de Limites e Condições, informado no passo 9, a operação de crédito não poderá ser mais contratada.
  28. STN realiza a análise complementar do pleito, com base nos requisitos da Portaria MF nº 151/2018. Caso os documentos estejam corretos, siga para o passo 29. Caso estejam incorretos, siga para o passo 26.
  29. A STN emite parecer complementar de condições para recebimento de garantia da União. Siga para o passo 30.
  30. A PGFN emite parecer e encaminha a matéria ao Secretário Especial de Fazenda. Siga para o passo 31.
  31. O Secretário Especial de Fazenda autoriza a assinatura do contrato. Siga para o passo 32.
  32. O contrato é assinado. Siga para o passo 33.
  33. Caso pretenda realizar alteração contratual, o ente encaminha pedido à SAIN/ME. Siga para o passo 34.
  34. O GTEC Execução da SAIN/ME discute o pedido. Caso a recomendação seja desfavorável, A depender da decisão do GTEC, o pleito deve ser alterado, postergado ou arquivado. Caso seja favorável, siga para o passo 35.
  35. A STN analisa o pleito de alteração contratual e o encaminha à PGFN. Siga para o passo 36.
  36. A PGFN analisa o pleito e o encaminha ao Secretiario Especial de Fazenda. Siga para o passo 37.
  37. O Secretário Especial de Fazenda autoriza a assinatura do aditivo. Siga para o passo 38.
  38. O aditivo contratual é assinado (fim).


Atribuições dos agentes externos à STN:

  • Senado Federal: autoriza a contratação de operações de crédito externo;
  • Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN): emite pareceres jurídicos e firma a garantia da União;
  • Sec. Esp. de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia (SAIN/ME): coordena o relacionamento com organismos multilaterais e agências governamentais estrangeiras.
  • Secretário Especial de Fazenda: atesta o cumprimento dos requisitos estabelecidos na Portaria ME nº 198/2019, na qual o Ministro da Economia autoriza a concessão da garantia da União.

Referências e links

Normativos

1.10 Legislação aplicável à contratação de operação de crédito e concessão de garantia

Fim do conteúdo da página